Mandetta lamenta 60 mil mortes por Covid-19 e volta a atacar Bolsonaro: ‘Nau sem rumo’

4677Visualizações 2020/7/2
4 8 Salvar Denunciar
  • Clique para assistir mais tarde
X
  • Faça o login para usar
X
  • Feedback enviado com sucesso
Anúncio
O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta voltou a usar o Twitter para lamentar o alto número de mortes em decorrência da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, e criticar de forma indireta o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Mandetta foi ministro da Saúde do início do mandato de Bolsonaro, em janeiro de 2019, até abril deste ano, quando deixou o cargo, após embates públicos com o presidente em meio a pandemia causada pelo novo coronavírus. A saída de Mandetta foi comemorada por alguns e lamentada por outros. Mandetta deseja força ao SUS Defensor do Sistema Único de Saúde (SUS), Mandetta lamentou as mortes. Nesta quarta-feira (1º), o Brasil chegou a triste marca de 60 mil mortes. De acordo com dados do Ministério da Saúde, o país registra 60.632 óbitos por Covid-19 desde março, quando houve a primeira morte. Publicidade “Mais de 60.000 pessoas perdidas. Nau sem rumo. Força SUS. Força Minas, Região Centro-Oeste e Região Sul. Governos passam. Quem preserva A VIDA pode ter a chance de comemorar o que a CIÊNCIA trará”, afirmou Mandetta, claramente dando indiretas a Bolsonaro. Publicidade Publicidade Mandetta foi demitido por Bolsonaro O ex-ministro e o presidente da República não se entendiam em relação aos protocolos para combater à Covid-19. Bolsonaro era defensor ferrenho do uso da cloroquina. Mandetta, baseado nas pesquisas científicas, era mais reticente quanto ao uso do remédio. Na queda de braço, o presidente decidiu dispensar seu subordinado.
+ Expandir - Retirar
Próximo vídeo
Comentários de usuários
  • babado dos famosos

    Para o lugar de Mandetta, Bolsonaro escolheu o médico oncologista Nelson Teich, que ficou no cargo por apenas um mês. Desde maio, a pasta é ocupada interinamente pelo general Eduardo Pazuello.

    + Expandir - Retirar
  • Douglas Ruiz Viegas

    Para o lugar de Mandetta, Bolsonaro escolheu o médico oncologista Nelson Teich, que ficou no cargo por apenas um mês. Desde maio, a pasta é ocupada interinamente pelo general Eduardo Pazuello.

    + Expandir - Retirar

Isenção de responsabilidade:

Este site oprera upload artigos em tempo real. Não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa a opinião pessoal dos redatores e não é a posição deste site. O usuário não deve confiar no conteúdo, mas deve julgar a autenticidade do conteúdo à sua própria.Os redatores têm o direito de escrever artigos neste site.

Como o site está sujeito ao modo de operação "publicação em tempo real", portanto, o sistema não pode verificar todos os artigos a tempo. Se você encontrar um problema, deixe uma mensagem ou entre em contato conosco.

O site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e rejeitar a publicação de qualquer pessoa e também o direito de não excluir o artigo. Nunca escreva linguagem ofensiva, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais. Este site reserva todos os direitos legais.